#CDAY – um dia inteiro de descobertas

Evento reuniu profissionais para debater design e marcas de forma descontraída e descolada

Neste último sábado (13/09) aconteceu no Rio de Janeiro o CDAY, evento organizado por Letícia Motta criadora do CuteDrop, que contou com a participação de palestrantes de peso do mundo do design, branding, criação e publicidade. Confira aqui alguns dos principais pontos abordados!
Responsável pela recém-criada Agência SIDES, Fábio Barreto compartilhou com o público suas experiências e os aprendizados ao longo da carreira profissional. De criativo a empresário, da pedra à vidraça, ele foi dividindo seus cases e contou como chegou ao momento atual de criação do próprio negócio.
Um dos conselhos do Fábio é sempre manter o pé no chão sem se deixar afetar pela purpurina do meio publicitário. “Eu recomendo para todo mundo trabalhar com varejo um dia e falar de asinhas de frango. Nem todo mundo consegue, mas quem o faz bem, consegue fazer qualquer outra coisa”, afirmou. Para Fábio a máxima de ‘o cliente tem sempre razão’ não é 100% verdadeira. De fato, o cliente tem suas razões e é importante saber ouvir e deixar que isso norteie o trabalho na publicidade e no marketing.
Mas a plateia acordou mesmo foi quando Fábio mostrou o case de sucesso na campanha para o Motel Panda, que teve seus percalços em questões de fundo moral com órgãos como CONAR e Ministério Público. A campanha foi veiculada somente em busdoor e com orçamento reduzido, mas atingiu alto índice de popularidade nas redes sociais e causou muita polêmica.
As ações que tentaram censurar a campanha alegaram que o Panda lembra bicho de pelúcia, o que poderia infantilizar o ato sexual. Quanto mais polêmica e mais exposição, mais aumentava a procura: em 2013 foi a maior taxa de ocupação do motel nos últimos cinco anos. “O resultado financeiro foi ótimo! Comprar a briga com eles foi uma boa escolha estratégica, o cliente ficou feliz. A grande charada é como contar aquilo que é tudo igual de forma adequada e pertinente” ensinou Paulo.
Márcio Botelho, do Estúdio Ícone, mostrou que é possível criar arte para a publicidade, com peças que vão muito além da tentativa de vender alguma coisa. Diversos exemplos de imagens manipuladas em computação gráfica, criações em 3D e design gráfico deixaram a plateia de boca aberta tamanha era a riqueza de detalhes das imagens finalizadas após um longo processo criativo. Já Vitor Lima, professor e integrante da agência Branded, falou sobre o conceito de marca e a possível evolução delas nas redes sociais.
Questões como reputação da marca, comportamento do consumidor e todos os significados subjetivos que uma marca pode ter foram abordados. “A marca está na cabeça do consumidor, o que ele tem é o produto, não a marca”, afirmou. Valores como status e tribalização, por exemplo, podem definir o valor estabelecido de uma marca. Isso é o que ele define como Brand Equity: “às vezes a marca tem mais valor para o consumidor do que o produto em si”, disse Vitor citando como exemplo o sabão em pó Omo.
Você deve estar se perguntando: e como construir esse valor então? Para Vitor, a escolha certa da mídia é tudo! É preciso ter um bom canal de venda e também um bom canal de comunicação que vai estar aberto para o bem e para o mal. “Se a marca não entregar a promessa feita para o consumidor, já era”, enfatiza o professor.
Entretanto, arrisco afirmar que a participação de Paulo Dytz, da B Sound Thinking, foi a mais intrigante do evento. O conceito apresentado, que leva o nome da empresa (sound thinking) se traduz em como uma marca pode ter sua coerência através do som. Paulo explicou que cada vez mais estamos vivendo em um mundo de poluição sonora. É preciso se perguntar qual é a identidade sonora de uma marca traçando os pontos de comunicação para melhorar a experiência do usuário de uma marca.
A metodologia é bem simples: escutar, criar e implementar. Com esses três pilares, Paulo tem desenvolvido ações que melhoram a percepção da mensagem com consciência e observação. Um bom exemplo foi o case apresentado no evento em que a B Sound tinha como missão melhorar a ambientação sonora de um grande shopping de Porto Alegre. O resultado trouxe mudanças para o nível de decibéis e ruídos nos corredores do shopping, o que possibilitou maior qualidade de vida para quem trabalha ali, desde lojistas, seguranças e equipe de limpeza até os clientes. “Trabalhamos com os pontos de contato sonoro que evidencia o DNA da marca, tentando encontrar os pontos bons e aquilo que precisa melhorar”, afirmou Paulo.
Quase encerrando o ciclo de palestras do #CDAY Rio, Ricardo Leite, da Agência Crama, apresentou todo o processo licitatório e de criação da logo para a comemoração dos 450 anos do Rio de Janeiro. A agência trabalhou o conceito de UX Branding (User Experience Branding), ou seja, uma nova dimensão onde o significado da marca surge com o uso que se tem dela, a experiência. A ideia conceitual partiu da pergunta: o tem o carioca de singular e plural? O que é tão mais maravilhoso do que o Rio de Janeiro para se comemorar nos 450 anos da cidade? O resultado foi um desenho que lembra um rosto humano de perfil, onde as pessoas podem customizar cada carinha do jeito que melhor lhe convier. Dessa forma, a população da cidade consegue se apropriar da marca, como explicou Ricardo em sua fala.
O #CDAY convidou ainda Cristiana Grether, que falou sobre a criação de design para a coca-cola. Ela contou a história da Coca-Cola de uma perspectiva diferente. Todo mundo já conhece a forma da garrafa. Mas o briefing de criação da embalagem envolvia algo mais: que a garrafa fosse reconhecida mesmo quando estilhaçada. E assim, foi criado um vidro especial para ela, adotado nos EUA, o vidro verde. E esta preocupação com identidade única foi levada adiante, inclusive nas ações de marketing e campanhas publicitárias. Sabe a “onda”, utilizada como elemento visual de apoio nas latas e garrafas? É o encontro de duas garrafas invertidas. Tudo na identidade da Coca-Cola tem uma história de criação e existência. Todo mundo ficou de boca aberta!!

Por esse motivo que o evento foi um sucesso de público e de crítica com um ótimo conteúdo educativo e alto astral. Que venham outros dias como este!!

Saiba mais sobre Rio 450 aqui

 

O conteúdo desse post é uma parceria com o blog CuteDrop, como resultado da cobertura realizada para o evento.



Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s